segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Woyzeck

Büchner não é muito conhecido aqui no Brasil. Autor alemão da primeira metade do século XIX, ele escreveu peças de teor "realista" e "social", além de estar sempre envolvido em ações revolucionárias. Apesar de sua obra ter demorado para ser reconhecida, foi extremamente influente. Entre seus admiradores estão Brecht e Orson Welles.

Woyzeck é uma das suas peças mais comentadas. É sua última obra e não foi terminada. Ela conta a história de Woyzeck, um soldado muito pobre, que é submetido a uma experiência: ele é obrigado a se alimentar apenas de ervilhas enquanto tem que prestar uma série de serviços. Isso afeta profundamente a mente do soldado.

Encenação de Woyzeck, dirigida por Larry Zappia (Foto:Drazen Sokcevic)

Em uma das cenas da peça, algumas crianças estão numa rua e pedem para a avó contar uma história. A história que ela conta me chamou a atenção e eu decidi traduzir e colocar aqui no blog. Aqui está:

Avó:
Venham rapazinhos! Era uma vez uma criança pobre e ela não tinha pai nem mãe, todos estavam mortos e não tinha mais ninguém no mundo. Todos estavam mortos e ela andou e procurou dia e noite. E, uma vez que não tinha mais ninguém na terra, ela foi para o céu e a lua olhou para ela tão amigavelmente e quando ela finalmente chegou na lua, a lua era um pedaço de madeira podre. E então ela foi para o sol e, quando ela chegou no sol, ele era um girassol murcho. E quando ela foi para as estrelas, elas eram umas moscas douradas pequenas, que estavam espetadas, como o esmerilhão as espeta nas ameixas. E quando ela foi de novo para a terra, a terra era um vaso destruído. E ela estava completamente sozinha. E lá ela se sentou e chorou, e lá ela está sentada e está chorando ainda.


Mais sobre Büchner: http://pt.wikipedia.org/wiki/Georg_Büchner

Lista de traduções de suas peças para o português (e também de outros autores alemães): http://volobuef.tripod.com/bibliotrad_teatro.htm

Mais fotografias da encenação dirigida por Larry Zappia: http://laryzappia.tripod.com/id15.html


TADEU COSTA ANDRADE,
é estudante do curso de
Letras na FFLCH - USP

Um comentário:

Willian disse...

Excelente.
Pra quem gosta da tradição Épica do teatro, taí a dica.