sexta-feira, 2 de maio de 2008

Guia RIOFAN

Começou o RIOFAN... antes de ontem. E nós aqui de São Paulo ficamos apenas vislumbrando de longe o festival. Mas para quem está na Cidade Maravilhosa é o momento de aproveitar os diversos filmes fantásticos de vários países estrelando na Caixa Cultral, Estação Botafogo e Cinemateca do MAM. Cariocas e turistas, não durmam no ponto pois o Festival promete.

No mais, fica aqui o meu “guia” (em outras palavras, os filmes que eu adoraria ver e rever)


Homenagem Zé do Caixão
Você, você e todos vocês terão a oportunidade de encontrar cara a cara com o Mojica, que dispensa apresentações. Zé do Caixão estará presente para receber um prêmio especial pelo conjunto da obra e apresentar trechos de seu futuro novo filme “A Encarnação do Demônio”.
Estação Botafogo 1: Quinta, 8/5, 21h

MOSTRA VISÕES
1, 2, 3 Whiteout, de James June Schneider, é uma produção franco-americana protagonizada um inventor (o veterano Lou Castel) e sua “cobaia” Veronique (Karine Adrover). Juntos eles tentam criar uma “escuridão positiva”. Whiteou é uma condição provocada pela difusão da luz em um espaço cujo chão esteja coberto de neve e o céu coberto de nuvens, comprometendo a visibilidade metereológica e de contraste. Denominado como “poema sinfônico de ficção científica”, o filme mescla gravações de sons e imagens recolhidas em vários lugares do mundo.
Estação Botafogo 1: Sábado, 3/5, 19h

MOSTRA FANTADOCS

Spine Tingler! A História de William Castle. Willian Castle é um dos grandes nomes do cinema de terror dos Estados Unidos e suas criações ecoam até hoje nas produções americanas ( ou ninguém nunca viu nenhum nome semelhante a "I Saw What You Did", de 1965?). Castle gostava de “brincar” com os especadores e assim criava uma interação extra-filmica com o público. Diz a lenda que na exibição de "The Tingler" (um verme que moraria dentro da coluna de todos nós e seria o responsável pelos calafrios), colocou uma caixa no cinema afirmando que lá dentro estaria o tal verme. O mais engraçado é que todos iam mesmo conferir o que estava dentro da caixa.
Estação Botafogo 1: Sábado, 3/5, 17h
Estação Botafogo 1: Quarta, 7/5, 15h


RIOFAN SHORTS
- Criticized, do Richard Gale. Crítico é sequestardo por diretor (cujo filme foi mal falado pelo dito crítico) que lhe aplica severas penas. Atentem para a cena do clips de papel.
- Victor y la Máquina, de Carlos Talamanca. Um garoto tenta ressucitar o pai repondo seus orgão vitais com pedaços de uma velha motocicleta. Fábula sobre inocência e persistência que faz lembrar os filmes autorais de Del Toro.
Programa 1
Caixa Cultural 2: Quinta, 8/5, 18h

- The Great Magician, de Elisabet Gustafsson. Baseado em um pequeno conto do poeta francês René Daumal. Um mágico que trabalha como escrituário no Banco Místico (nome um tanto sugestivo demais para um banco), mesmo cercado de pessoas hostis, se recusa a usar seus poderes. Para lembrar que a simpática figura do mágico oprimido aparece em toda parte.
Programa 4
Caixa Cultural 2: Domingo, 4/5, 20h
Caixa Cultural 2: Sexta, 9/5, 16h

- Avant Petalos Grillados ( “Depois das Pétalas Queimadas”????). Curiosíssimo curta de Velasco Broca (que é na verdade a terceira parte de um tríptico) em que uma pacata cidade cheia de habitantes estranhos é invadida por extraterrestres. Corre a lenda de que todos os atores eram hipnotizados e que um grupo teatral de cegos desempenhou o papel de extraterrestres. Para completar, foi filmado com uma câmera dos anos 40. Pérola.
Como o programa foi exibido antes da minha postagem, clique aqui para assistir o curta no site Stockholm Film Festival.


CURTAS RIO FAN
Sete Vidas, já citado aqui em “Bem Vindos à Ilha Comprida”, o curta de Marcelo Spomberg e Zé Mucinho (que relevou a identidade secreta da minha gata como sendo a desvirtuada Dorothy Parker) será exibido no mesmo programa de Aranhas Tropicais, o caprichado curta de André Francioli estrelando o homem aranha e a cientista bonitona.
Programa 4
Caixa Cultural 1: Domingo, 4/5, 17h30
Caixa Cultural 1: Terça, 6/5, 19h30

O curta A Cauda do Dinossauro, de Francisco Garcia tem ingredientes de sobra pra justificar a indicação. 1º É baseado em um texto do cartunista Angeli publicado na gloriosa revista Chiclete com Banana (“no tempo do Perdidos na Noite.....”). 2º É estrelado por Christiane Tricerri, parceira de Angeli desde os anos 80 e por Mário Bortolotto, o dramaturgo que só podia mesmo ser fã inevetarado do Angeli. 3º O espaço cenográfico é fiel ao universo estético “angeliano”. No mesmo programa está A Estória da Figueira, de Julia Zakia, filme feito para ser visto por crianças ( e por muitas crianças, segundo a diretora) baseado na fábula da menina morta pela madrasta por deixar que pássaros bicassem a figueira de seu pai.
Programa 1
Caixa Cultural 1: Sábado, 3/5, 17h30
Caixa Cultural 1: Quinta, 8/5, 19h30


UNDERGROUND BRAZIL
Desta mostra, muitos filmes já foram vistos em Ilha Comprida e citados aqui. Entre eles estão Junho Sangrento e A lenda da lagoa vermelha, além de outros como BBZ (isso mesmo que você está imaginando, um Big Brother em que os particpantes são “zumbificados” um a um), O Cine-Teatro e o curioso Gravidade Zero, além do cômico Mute.
Programa 1 (BBZ, O Cine-Teatro, Gravidade Zero)
Caixa Cultural 2: Terça, 6/5, 20h
Caixa Cultural 1: Sexta, 9/5, 14h
Programa 2 (A Lenda da lagoa Vermelha, Junho Sangrento, Mute, entre outros)
Caixa Cultural 2: Quinta, 8/5, 20h
Caixa Cultural 2: Domingo, 11/5, 14h


RETROSPECTIVA
Dois curtas de encher os olhos!

Akai, de Carlos G. Gananian é um curta que se destaca pelo preparo técnico, pelo argumento que, embora comum, é revisto com criatividade e pelo forte apelo imagético que poupa qualquer fala.

Tropel, de Eduardo Nunes, curta-metragista velho de guerra com filmes muito premiados na bagagem, como “Terral”, “Sopro” e “Reminiscência”. Tropel, assim como os outros, exploram o cinema como narrativa poética.
Programa 1
Caixa Cultural 1: Terça, 6/5, 17h30


CLÁSSICOS
Filmes que vocês não encontram em qualquer locadora!

O Cão-Andaluz, de 1928, filme surrealista que faz a fama de Buñuel por aqui.
Cinemateca do MAM: Sábado, 3/5, 16h
O Sangue de um Poeta, filme de 1931 de Couteau, expressionista, surrealista, simbolista ou até realista mágico, que importa! É, sem dúvida, um dos filmes mais bonitos do cineasta.
Cinemateca do MAM: Sexta, 9/5, 18h
O Palácio das Mil e uma Noites, de 1905 de Meliés. Filme de quando se inventaram os filmes como conhecemos hoje. Imperdível para os arqueólogos.
Cinemateca do MAM: Sexta, 9/5, 18h
Scanners – Sua Mente pode Destruir, filme de Cronenberg dos anos 80 sobre uma grande guerra telepática com cabeças explodindo aos montes.
Cinemateca do MAM: Sábado, 3/5, 18h

CARA CAROLINA ,
é webdesigner e estudante
de Artes Plásticas pelo
Unicentro Belas Artes

3 comentários:

Cezar Berger Junior disse...

Cariocas com o "Riofan" e nós com nossa "Virada Cultural. Infelizmente vou lamentar perder alguns filmes... Poxa, queria muito rever 'O Cão Andaluz', fora que alguns títulos aí me despertaram uma curiosidade (1, 2, 3, Whiteout por exemplo).

Vocês não têm nenhum intermediário lá pelo Rio?

Abraços.

Cara Carolina disse...

Olá César,

Para sua sorte Um Cão Andaluz não é um filme tão difícil de achar por aí. Você tem a opção de baixar pela internet no makingoff.org ou comprar ou alugar um DVD em que vem tanto Um Cão Andaluz como A Idade de Ouro na 2001.
Se bobiar, você encontra até no Youtube! Quanto aos contatos no Rio, eles são poucos ou nenhum! Mesmo o pessoal da mostra nós tivemos contato apenas por poucos e-mails.

Abraços!

Anônimo disse...

Good post and this fill someone in on helped me alot in my college assignement. Thanks you on your information.